Você conhece o Maio Roxo?

O Maio Roxo é o mês dedicado ao diagnóstico precoce e qualidade de vida das doenças inflamatórias intestinais (DII). Apesar de existirem vários tipos os mais comuns da doença são: Doença de Crohn e Reticolite Ulcerativa. No Brasil, o número de casos dessas doenças tem aumentado, assim como o desafio de conhecer suas causas, da definição de diagnóstico e acesso ao tratamento. Por isso a importância de colorir o mês de Roxo e tratar de um assunto pouco conhecido, mas que pode trazer bem-estar e saúde aos acometidos.

A Doença de Crohn é uma doença crônica (não tem cura) inflamatória séria do trato gastrointestinal. Ela pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal, mas afeta predominantemente a parte inferior do intestino delgado (íleo) e intestino grosso (cólon). Sua causa ainda não é conhecida. Os sintomas podem variar de leves à grave, podendo apresentar: diarreia; febre; cólica abdominal; sangramento retal; e perda de apetite e de peso.

A colite ulcerativa é uma doença inflamatória do cólon, intestino grosso, que se caracteriza por inflamação da camada mais superficial do cólon. Ela pode afetar apenas a parte inferior do cólon, reto e é, então, chamada de proctite ulcerativa. Se a doença afetar apenas o lado esquerdo do cólon, ela é chamada de colite distal ou limitada. Se ela envolver todo o cólon, é pancolite, ou colite universal ou hemicolite esquerda.

Os sintomas podem ser: diarreia muito frequente; sangramento retal; e dor abdominal.

Informação importante!

Como a doença de Crohn se comporta como a colite ulcerativa às vezes é difícil diferenciar uma da outra. Por isso, se notar qualquer um dos sintomas ou levantar-se a suspeita é necessário relatar ao médico que fará a correta avaliação e diagnóstico. 

O médico habilitado para investigar as suspeitas é o Coloprotologista e o Gastroenterologista e serão necessários exames para confirmar o diagnóstico, que podem ser: colonoscopia, de sangue e fezes, tomografia, endoscopia ou ressonância magnética do abdome, associados a clínica do paciente, com tudo isso o médico poderá confirmar o diagnóstico. O tratamento é feito com medicamentos para reduzir a inflamação e a resposta imunológica. As pessoas com DII podem ter vida ativa e produtiva. Os medicamentos disponíveis (imunobiológicos) reduzem a inflamação e controlam os sintomas tanto mais intensos como para impedir que a doença volte. A cirurgia também pode ser uma opção, quando os medicamentos não surtem os resultados esperados ou quando há alguma complicação. 

Posts Relacionado

Já dá para falar de casamento?

Ah já. Da para falar do que você quiser. Falar é o que mais se pode fazer neste momento. Dá para casar? Dá também, desde que para você casamento seja um contrato assinado em cartório entre duas pessoas com mais duas de testemunha e um

A vida continua…

Estamos há mais de um ano vivendo em uma nova realidade, a de conviver com um inimigo invisível, devastador e que, certamente está ao nosso lado. Foram muitas perdas, muitas famílias desestruturadas e cheias de dor. Foram necessárias inúmeras mudanças de hábitos, da nossa rotina,