Vereadores se reúnem para sessão de 50 minutos e não votam nenhum projeto

Única câmara da região a ficar mais de 30 dias parada e sem redução de subsídios dos vereadores, como ocorreu em cidades como Itu e Jundiaí, a Câmara de Vereadores de Salto se reuniu na última terça-feira (5) para a 10ª reunião ordinária.

Porém, sem nenhum projeto ou requerimento para ser votado, a reunião entre os edis durou menos de uma hora. Para ser mais exato, 51 minutos. O tempo só não foi menor porque uma discussão sobre a utilização da Tribuna Livre tomou conta da Casa, envolvendo vereadores da situação e oposição. Após a solicitação do segundo secretário da Mesa Diretora, Dr. Otávio Castanha Miralhes, a proposta foi posta em votação, mas com o empate, coube ao presidente Lafaiete Pinheiro o voto decisivo, que mais uma vez vetou o livre discurso dos vereadores.

Para a próxima semana, o cenário não deve ser diferente, pois, de acordo com a Câmara de Vereadores, nenhum projeto foi colocado em pauta para discussão e votação.

Vereadores voltam a falar em acionar a Justiça

Representantes da oposição na Casa de Leis mais uma vez demonstraram sua insatisfação com a solicitação, alegando que essa seria a oportunidade de os vereadores apresentarem suas ações e também discutirem assuntos de interesses da comunidade saltense.

O vereador Edemílson afirmou que os vereadores não estão fazendo jus ao que recebem, indo à Câmara apenas para votar a Ata da sessão anterior. “Se for pra continuar nesse ritmo, vamos reduzir o subsídio para um salário mínimo”, propôs.

Antonio Cordeiro foi além e disse que pretende acionar o Ministério Público, já que a supressão do uso da Tribuna violaria o Regimento Interno. “Nosso regimento não dá a possibilidade de debate. Não podemos mudar o nosso regimento. Se é pra vir aqui assinar a lista e ir embora, não precisa receber nada. Que todos abram mão de seus subsídios. Vamos fazer um mandato de segurança e bater no judiciário. Nosso regimento não dá as condições de abrir mão da tribuna”. Vale destacar que o vereador já havia se manifestado na última semana que buscaria a Justiça, o que acabou não ocorrendo.

O vereador Márcio Conrado criticou o grupo de aliados ao prefeito Geraldo Garcia, alegando que a não utilização da Tribuna os beneficiaria, já que não haveria a colocação de temas conflituosos em discussão. “Estão usando o coronavírus como muleta para encurtar a sessão”.

Avatar

Caio Vinícius Dellagiustina

Jornalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *