Trabalhadores que se recusarem a se vacinar contra a Covid-19 podem ser demitidos por justa causa

Os trabalhadores que se recusarem a tomar a vacina contra a Covid-19 sem apresentar razões médicas documentadas poderão ser demitidos por justa causa, de acordo com o Ministério Público do Trabalho. A orientação do órgão é para que as empresas invistam em conscientização e negociem com seus funcionários, mas o entendimento é de que a mera recusa individual e injustificada à imunização não poderá colocar em risco a saúde dos demais empregados. No ano passado, o Supremo Tribunal Federal decidiu que, embora não possa forçar ninguém a se vacinar, o Estado pode impor medidas restritivas a quem se recusar a tomar o imunizante. Apesar de nenhum governo até o momento ter anunciado sanções aos negacionistas da vacina, essas medidas poderiam incluir multa, vedação a matrículas em escolas e o impedimento à entrada em determinados lugares.

Posts Relacionado

Salto se aproxima de 5 mil vacinados contra a Covid-19

De acordo com o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde de Salto, a cidade já aplicou 4.918 vacinas contra o coronavírus. Dessas, 3.134 foram aplicadas em profissionais da Saúde, dos quais 1.006 já receberam inclusive a segunda dose. Por outro lado, a cidade registrou um