Reação em cadeia e energia circulante

Já ouviu falar em reação em cadeia?

E em energia circulante?

Vou contar uma historinha:

Um cliente chega à loja e começa a namorar os relógios, sempre chamo de namorar, porque alguns vem, escolhem, compram e vão embora. Outros, olham um, admiram outro, colocam no pulso, caminham com ele no pulso, olham de esgueio, olham no espelho, tiram, admiram na mão, colocam no pulso novamente, tiram e olham outra vez todos os detalhes dele. Você só casa, depois de ter namorado. E eu observo tudo. Gosto deste observar. Gosto de ver o comportamento de cada um. Único, só seu, de mais ninguém. Faço isso há anos. Sou expert nesta arte, mesmo nunca sabendo qual será o desfecho. Cada cliente, uma história diferente e me admiro de cada uma. Não creio que nasci para ser comerciante, mas como sou, decidi que sou a melhor, que gosto do que faço, que dou atenção, que me sinto amiga dos clientes que retornam.

O mocinho chega, passa muito tempo admirando até se decidir por qual relógio será o seu. E eu observo.

Quando chega ao caixa, conversamos. No meio desta conversa ele diz que eu estou bem feliz, porque ele nem queria mesmo, mesmo comprar um relógio naquele momento, que veio mais para conhecer o que podíamos ofertar e acabou comprando. Digo que ele também está feliz, queria um relógio, o comprou, tem um relógio novo para por no pulso e que dinheiro é energia circulante, passa de uma mão à outra e costuma deixar todos os envolvidos, felizes. Ele concordou.

Mais tarde, neste mesmo dia, Frank reúne todos nós, que trabalhamos ali, num momento tranquilo em que não há clientes dentro da loja e conta esta história:

“Dinheiro, como a Ro disse hoje, é?”

Uma das meninas respondeu: “Energia circulante.” Fico feliz, não só o cliente se atentou ao que eu disse, o Frank e uma das funcionárias também.

“Então aproveito e vou contar isto para vocês”, disse ele:

“Um vendedor, representante comercial, ou o nome que queiram dar, chegou na cidadezinha, nem sei se foi aqui em Salto. Logo pela manhã, passou no único hotel (tá, Salto tem mais que um hotel…) e conversando com o proprietário, disse que iria se hospedar após as 18 horas e se podia deixar a estadia paga. O dono disse sim e ele foi verificar as acomodações, retornou e pagou os R$100,00 do seu pernoite. Saiu e foi concretizar seus negócios.

O dono do hotel, que não andava em situação financeira muito tranquila, certo de que havia vendido um quarto praquela noite, foi à padaria, que lhe fornecia o pão, café e leite, do café da manhã de cada dia e pagou os R$100,00 que devia ao português da padaria. O português, por sua vez, que devia ao distribuidor de farinha e já andava com receio de ter o fornecimento cortado, pegou os R$100,00 e foi pagar seu fornecedor. O distribuidor de farinha que em seus maiores momentos de alegria, que eram os churrasquinhos saboreados aos finais de semana, devia ao dono do açougue. Pegou os R$100,00 e pagou o devido. O açougueiro, solteiro e sem muita sorte no amor, devia para a “profissional do sexo” mais requisitada da cidade e pagou as duas noites que se divertiu, mesmo não sabendo quando poderia acertar, mas ele era um bom cliente. Como as coisas não andam fáceis para ninguém, a moça, que devia ao dono do único hotel da cidade por estadias rápidas com alguns de seus clientes, pegou os R$100,00 e foi ao hotel saldar sua dívida.

Quase no final do dia, o forasteiro retornou ao hotel, se desculpou com o proprietário e explicou que como havia marcado com um cliente da cidade vizinha para um horário muito cedo do dia seguinte, preferia passar a noite na cidade vizinha e não correr o risco de se atrasar (gostei desse representante!). Então, se ele não se incomodava por lhe devolver o dinheiro. O dono do hotel: “Claro que não. Quando necessitar, estaremos às ordens e à sua disposição.””

Todos atentos, prestamos muita atenção, entendemos tudo.

Energia circulante, passa de mão em mão. Todos se beneficiam e ninguém retém o dinheiro. Retornou à primeira mão. Todos saldaram suas dívidas.

Deepak Chopra, física quântica, “As sete leis espirituais do sucesso.” Tudo muito bem desenhado. Faça uso. Entenda. Utilize. Reação em cadeia.

E, nesses tempos de tanta dificuldade para tantos, que a energia do dinheiro, necessário, circule para todos e seja bem utilizada.

Posts Relacionado

Ettore Liberalesso e os Lugares da Memória – Parte IV

Na quarta e última parte do livro “Lugares da Memória”, também este sendo a última parte do texto sobre o material, organizamos com o tema “Histórias de pessoas públicas com as quais convivi e aprendi”. A parte mencionada vem antes do epílogo, um belo poema

Você conhece o Maio Roxo?

O Maio Roxo é o mês dedicado ao diagnóstico precoce e qualidade de vida das doenças inflamatórias intestinais (DII). Apesar de existirem vários tipos os mais comuns da doença são: Doença de Crohn e Reticolite Ulcerativa. No Brasil, o número de casos dessas doenças tem