Prefeitura diz que não enfeitará as ruas para o Natal e que dinheiro não será utilizado

Ao fazer o uso da tribuna no Tema Livre, durante a sessão da última terça-feira (8), o vereador Divaldo Garotinho fez uma cobrança à Secretaria de Cultura sobre a ausência de decorações natalina na região central da cidade de Salto.

“Estamos em 7 de dezembro e até agora nada de enfeites natalinos na nossa cidade. Semana passada, andando nos comércio fui cobrado por enfeitar as ruas. E ficamos com a cara no chão. No ano passado o secretário da Cultura, que foi tão elogiado pela decoração na Praça XV, pela Casa do Papai Noel, com a criançada fazendo fila para tirar fotos e agora, não vi sequer dez lampadinhas enfeitando as ruas da cidade”, afirmou o vereador.

Garotinho citou um possível desânimo na administração pública, em especial ao ex-secretário de Cultura, Sandro Bergamo, após a derrota na eleição, já que o mesmo saiu candidato a vice-prefeito ao lado de Geraldo Garcia. “Vamos animar, Secretário. Não é porque perdeu a eleição que vai jogar a toalha. Eu acredito que a secretaria de Cultura tem uma programação, independente do resultado da eleição. Ou tinha dois planos?”, questionou.

O vereador ainda comparou com as cidades da região e disse que os saltense poderão escolher fazer compras em Itu ou Indaiatuba. “Ai você vai pra Indaiatuba você tudo enfeitado, Itu está tudo enfeitado, Sorocaba está tudo enfeitado, e aqui está pra trás. O comerciante paga seus impostos e espera que no final do ano terá uma ajuda da prefeitura para atrair os consumidores, mas já estamos em 10 de dezembro e nada de enfeites nas ruas e na praça XV”.

O PRIMEIRAFEIRA questionou a Prefeitura de Salto que respondeu apenas que devido à pandemia, o município não realizará a decoração natalina no centro da cidade e nem a realização evento de Natal na Praça XV como nos anos anteriores. “O recurso que estava reservado para esta finalidade não será utilizado”, finaliza a nota.

Vereador fala que comércio deveria funcionar até às 22h

Na oportunidade, o vereador Garotinho ainda opinou sobre o horário de funcionamento do comércio. Para ele, as lojas deveriam funcionar até às 22h, justamente para evitar as aglomerações. “Entendemos que quando reduz o horário, acaba concentrando mais as pessoas. Se conseguíssemos fazer com que o comércio funcionasse até às 22h, daria uma folga para que as pessoas façam suas compras. Que a prefeitura repense isso. Está tão difícil para o comerciante…”, concluiu.

Posts Relacionado

Você consegue pensar em festa?

Há um ano fomos colocados dentro de casa com um anúncio de que uma pandemia estava se fixando em nosso país. Não sabíamos ao certo o que era, mas como estávamos vivendo desenfreadamente, até que não foi tão ruim passar uns dias quietinha curtindo a

Reação em cadeia e energia circulante

Já ouviu falar em reação em cadeia? E em energia circulante? Vou contar uma historinha: Um cliente chega à loja e começa a namorar os relógios, sempre chamo de namorar, porque alguns vem, escolhem, compram e vão embora. Outros, olham um, admiram outro, colocam no