Nada como o tempo!

Caríssimos leitores,

Espero encontra-los bem, com a graça de Deus.

Minha homenagem de hoje vai para todos os “Laertes de Salto”. Se formos verificar, Salto deve ser a cidade com maior número de pessoas chamadas Laerte por m2. Todos que conheço, a começar pelo nosso ilustre prefeito, Laerte Sonsin Júnior e seu pai Laerte Sonsin. Laerte do Prado, Laerte Moja, Laerte Cruz, Laerte Milanez etc. Tem o que eu mais amei, admirei e sou grato por ter me dado o seu nome Laerte Zotte (meu pai). Todos são grandes exemplos de seres humanos. Isso me faz ter orgulho deste nome cada vez mais. Um grande abraço a todos e que Deus lhes abençoe sempre. Até mesmo os que já partiram, como é o caso do meu querido pai.

No artigo de hoje, abordaremos um tema atual. Ao ver o Facebook, atualmente tenho notado um aumento de mensagens com “LUTO”. Em contrapartida uma diminuição de mensagens de alegria, celebração à vida, nascimentos etc. Sei que a perda é difícil. Já sofri muito isso. Por isso, me solidarizo coma todas as pessoas e famílias que tem perdido um ente querido. É difícil, mas temos que crer na vontade de Deus. Isso sempre me consola quando lembro das minhas perdas.

Por outro lado, temos que dar valor aos que estão conosco. Uma vez, num velório uma pessoa da minha família falou:

“Está vendo aquela pessoa? Mina avó sempre pedia para que ela viesse vê-la, almoçar ou passar o dia com ela. E, ela nunca tinha tempo. Dizia que estava ocupada, etc. Porém, hoje, para vir no velório, ele deixou tudo e veio ver o seu corpo já desfalecido”.

Sempre me lembro disso. E penso, por que damos valor quando perdemos e não quando temos? Porque enviamos flores quando a pessoa morre e, quando estava viva nem fazíamos uma visita?

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, dar valor à ela. Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.

O segredo é não correr atrás das borboletas… é cuidar do jardim para que elas venham até você.

Um poema exemplifica bem o que eu quero dizer:

Os ventos que às vezes

Levam para longe o que amamos

São os mesmos

Que trazem algo mais para ser amado

Nós não podemos chorar pelo

Que nos foi tirado

Nós não iremos… / Nós não iremos…

Nós amaremos o que nos foi dado

Pois tudo que é realmente nosso, não irá embora.

Autor: Rafael Wissmann Monteiro

E tem uma bela frase de Maria Júlia Paes da Silva:

O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso, existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis”.

Por isso, viva intensamente o momento. Agradeça a Deus todos os dias por sua saúde, seus familiares, governantes, amigos, etc.

Dedico o artigo de hoje a um grande amigo e exemplo de pai e cidadão saltense, Sr. Luiz Gonzaga de Almeida. ZICO. Pessoal fantástica. Que Deus o receba com muitas bênçãos e que conforte a família.

Posts Relacionado

Ettore Liberalesso e os Lugares da Memória – Parte IV

Na quarta e última parte do livro “Lugares da Memória”, também este sendo a última parte do texto sobre o material, organizamos com o tema “Histórias de pessoas públicas com as quais convivi e aprendi”. A parte mencionada vem antes do epílogo, um belo poema

Você conhece o Maio Roxo?

O Maio Roxo é o mês dedicado ao diagnóstico precoce e qualidade de vida das doenças inflamatórias intestinais (DII). Apesar de existirem vários tipos os mais comuns da doença são: Doença de Crohn e Reticolite Ulcerativa. No Brasil, o número de casos dessas doenças tem