Moradores de vários bairros reclamam de aglomerações em posto de combustível

Durante a sessão do Legislativo saltense desta semana, o vereador Alexandre Martins “Xandão” abordou um assunto que vem gerando muitas reclamações, principalmente nas redes sociais: as aglomerações. Segundo Xandão, moradores de vários bairros, próximo ao hospital, o procuraram para reclamar do excessivo número de pessoas que ficam em um posto de combustível na Avenida Getúlio Vargas. “Fui procurado por alguns moradores do Jardim Celani, Elizabeth e Central Parque, mencionando a aglomeração de pessoas próximo ao posto de gasolina que existe lá. Há pessoas que colocam o som alto, pessoas aglomeradas, fazendo o uso de bebidas, falando alto, colocando o som do veículo numa altura incompatível com o local, lembrando que estão perto do hospital municipal”, destacou o vereador.

Xandão aproveitou a ocasião para informar que os moradores estão preocupados com a situação. “As pessoas que moram lá pediram apoio do Poder Público, tanto pela saúde, quanto pelo sossego dos que residem lá. Já fizeram inclusive reclamação, via e-mail, no Ministério Público”, justificou.

Mais reclamações

Nesta semana, um morador daquela região entrou em contato com o PRIMEIRAFEIRA pedindo ajuda para resolver o problema que se instalou no estacionamento do posto de combustível. Segundo o professor, que pediu para não ser identificado, as aglomerações no local ocorrem de sexta para sábado e de sábado para domingo. “Basta passar pela avenida (Getúlio Vargas) para comprovar a grande quantidade de veículos. No sábado, dia 29/08, havia mais de 30 veículos no local e as pessoas se aglomeravam, consumindo muitas bebidas alcóolicas, ao som ensurdecedor de músicas e motores, que eram exigidos até o seu limite, provocando inclusive, vibrações nas janelas das residências. Se isso não bastasse, é possível ainda, verificar a disputas de ‘rachas’, envolvendo carros e motos”, relatou o homem, que pediu providência das autoridades. “Faço um apelo às autoridades competentes para que tomem providências e, que façam valer as legislações vigentes a fim de se evitar uma tragédia e buscar soluções para uma convivência mais harmônica”, completou.

Outro ponto da cidade alvo de reclamação no último final de semana foi a Praça XV de Novembro. Moradora da região, uma aposentada, de 66 anos, entrou em contato com o PRIMEIRAFEIRA relatando que nas noites de sábado (29/08) e domingo (30/08), o local estava com muita gente, todas ignorando as medidas sanitárias. “Muitas mesas ao ar livre, sem a distância de um metro. Música ao vivo, pessoas transitando sem máscaras, simplesmente impossível passar no local. De quem é a responsabilidade por essa situação?”, questionou a aposentada.

Prefeitura diz que não foi notificada pelo governo do Estado sobre uso de máscaras

Na última segunda-feira (31/08), o governador do Estado de São Paulo, João Doria, concedeu uma entrevista coletiva na Capital, ocasião em que reforçou a necessidade dos prefeitos terem uma postura mais rigorosa quanto à fiscalização do uso de máscara. Na oportunidade, o governador se mostrou preocupado com o final de semana prolongado, em virtude do feriado de 7 de setembro (segunda-feira), e disse: “Nós já emitimos uma notificação para que prefeitos e prefeitas orientem a vigilância sanitária neste final de semana prolongado, principalmente para que redobrem o cuidado e exijam a colocação de máscaras”, afirmou Doria.

Porém, a Prefeitura de Salto, questionada pelo PRIMEIRAFEIRA sobre a questão, informou que não recebeu nenhum comunicado do governo estadual. “A Prefeitura informa que até o momento não houve notificação do Governo do Estado, mas a Guarda Civil Municipal continua engajada nas ações de orientação sobre a importância do uso de máscaras”, relatou o Poder Executivo.

Outro assunto abordado pela reportagem do PRIMEIRAFEIRA diz respeito as aglomerações. No último fim de semana alguns locais da cidade registraram aglomerações gerando muitas críticas de moradores, como por exemplo, o posto de combustível, próximo ao hospital, e também a Praça XV de Novembro. A Prefeitura, por sua vez, disse que a fiscalização nesses locais é de competência da Polícia Militar. “As aglomerações em locais públicos, são de competência da Polícia Militar, já que o Decreto é estadual, portanto será dado continuidade aos serviços de checagem de aglomerações e a GCM está à disposição para colaborar com a Polícia Militar”, explicou a Prefeitura.

Avatar

Caio Vinícius Dellagiustina

Jornalista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *