Fábricas e seus operários

A cidade de Salto é marcada por uma pluralidade em seu desenvolvimento cultural ao longo dos anos. Uma cidade conhecida pelas suas festas sendo, inclusive, uma referência regional nas manifestações artísticas.  Salto é uma cidade de trabalhadores, operários que vieram de diversas partes do Brasil e de outros países e atuaram em fábricas da cidade. Esse desenvolvimento fabril é destacado naquela que deve ser a primeira obra publicado em livro na cidade, o “Município de Salto”, escrito pelo Dr. Adriano Randi, em 1959. Veja o que o autor escreveu na obra mencionada:

“A instalação de fábricas de tecidos e da primeira fábrica de papel montada no Brasil vem dar um grande impulso na cidade, tornando-se então uma colmeia de trabalhadores. Foi muitas vezes visitada por importantes cientistas, escritores e poetas que lhe dedicaram inúmeras páginas, imortalizando-a, graças à sua magnífica cascata, ornamentada pela exuberante vegetação que a rodeia e ao alarido alegre das andorinhas e dos taperas que nas suas pedras fizeram morada.”

Em outro trecho, o médico sanitarista cita o professor e historiador Tancredo do Amaral, patrono de uma escola estadual no centro da cidade.

“Em sua obra intitulada ‘O Estado de São Paulo’, Tancredo do Amaral escreveu em 1896: ‘a seis quilômetros de Itú, acha-se situada a Vila de Salto de Itú, que possue três fábricas de tecidos de algodão e uma de papel. Depois da capital é o município mais industrial”. – Procurei manter a escrita tal como na publicação do final da década de 1950.

Uma área do estudo de história das cidades que merecem uma atenção, e Salto não foge disso por seu potencial para tal desenvolvimento, é o da história dos operários, homens e mulheres que contribuíram de maneira significativa para o desenvolvimento econômico da cidade, muitos deles no anonimato, lutando para sobreviver e cuidar dos seus. Operariado que, apesar do que já foi escrito em bibliografia sobre a cidade, teve sua vida fortemente alterada por rumos políticos neste país, como no período de Ditadura Militar (1964-1985) e tiveram suas vozes silenciadas, seus feitos propositalmente esquecidos.

Essa linha entre a memória e o esquecimento, ambas ações que geram fortes impactos e discussões que mexem com os ânimos das atuais gerações, são áreas de atuações que o historiador tem como possibilidades de trabalho. Espaços como os Museus tem potencial para promover ricos debates em torno do assunto, espaços como este, o dedinho de prosa, também.

Um bom fim de semana a todos!

Posts Relacionado

Tijolos / Coleção / Fontes Históricas – Parte II

Continuação… Inicio com um dos preferidos da coleção, o F.F.B. Trata-se de um tijolo que almejava há algum tempo e via muitos dele no Museu de Salto. A sigla é a abreviação de Francisco Fernando de Barros, mais conhecido como Barros Jr. Ele veio parar

Marcando um encontro consigo mesmo

Você que começou a ler esse texto, peço licença para falar com seu lado mais íntimo, onde ninguém consegue entrar a não ser que você permita. Obrigada. Ter alguém tão perto de nossos pensamentos, principalmente daqueles mais sombrios ou tão perto dos nossos sentimentos, que normalmente