Estudo do governo do estado destaca Salto como o melhor índice de atendimento à população em abastecimento de água

No final de 2020, o governo do Estado de São Paulo fez a premiação do Programa Parcerias Municipais “Aliança Estado-Municípios”, gerido pela Secretaria de Desenvolvimento Regional. No total, 21 municípios foram premiados por terem obtido melhores desempenhos dentro de desafios propostos pelo Governo de SP em sete áreas prioritárias. A cidade de Salto se destacou em “Qualidade do Ensino Fundamental”.

Porém, o PRIMEIRAFEIRA teve acesso ao desempenho de Salto em todos os quesitos avaliados. Nele, é possível ver, por exemplo, que o número de crianças entre 0 a 3 anos que frequentam creches da cidade vem diminuindo ano a ano e que em 2019, nem metade dessa faixa etária era atendida pela Prefeitura.

Já no quesito “Saneamento”, o estudo mostra que desde 2017, a cidade de Salto realiza 100% de atendimento no abastecimento de água. Já o índice de tratamento de esgoto é de 84,3%.

Outro ponto preocupante foi em relação a mortalidade infantil. Salto teve 17 mortes em 2018, o maior número registrado desde o ano de 2015. E em “Segurança”, os acidentes de trânsito com vítima fatal aumentaram 3,5% entre os anos de 2015 e 2019. Confira detalhadamente os dados do município na tabela.

EDUCAÇÃO

Desenvolvimento da Educação Básica – Ensino Fundamental I

Salto alcançou 6,9 pontos no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) do Ensino Fundamental I na rede pública em 2019. A nota é maior que a média estadual; porém, dos 645 municípios paulistas, Salto ocupa apenas a 138ª posição. Em 2009, ocupava a 204ª posição, com uma nota maior que a média estadual. O indicador cresceu 1,2 pontos em 10 anos.

O número de alunos matriculados no Ensino Fundamental I da rede pública no município caiu de 7.241 para 6.492 entre os anos de 2009 e 2019. Os dados foram colhidos junto ao INEP/MEC.

Desenvolvimento da Educação Básica – Ensino Fundamental II

Salto alcançou 5,5 pontos no Ideb do Ensino Fundamental II na rede pública em 2019. Embora a nota seja maior que a média dos 645 municípios paulistas, a cidade caiu da 130ª melhor posição (em 2009) para a 165ª posição (2019). Assim como no Ensino Fundamental I, o número de alunos matriculados teve queda nos últimos 10 anos, regredindo de 6.487 em 2009 para 5.404 em 2019.

Crianças de 0 a 3 anos em creche

A estimativa de atendimento das crianças de 0 a 3 anos nas creches de Salto no ano de 2019 foi de 48,7%, menor que a média estadual (que foi de 51%). Entre os 645 municípios de São Paulo, Salto ficou na 267ª posição.

De acordo com os dados divulgados pelo governo, em 2009 havia 888 crianças de 0 a 3 anos matriculadas em creches. Em 2019, o número de matrículas foi para 2.676, um crescimento superior a 200%. Os dados foram colhidos junto a fundação Seade/Censo Escolar.

O curioso é que o número de crianças de 0 a 3 anos vem diminuindo na cidade: em 2015 eram 5.576; em 2016 foi de 5.558; em 2017 caiu para 5.539; no ano de 2018 o número foi de 5.516; e em 2019 atingiu 5.492

Crianças de 4 a 5 anos na pré-escola

Já a estimativa de atendimento das crianças de 4 a 5 anos em pré-escolas, no ano de 2019, foi de 100%, superando a média estadual. O município teve a melhor posição no indicador entre todos os municípios paulistas. Os números revelam que Salto registrou 2.273 crianças de 4 a 5 anos matriculadas em pré-escolas em 2009. Já em 2019, esse número saltou para 2.800, um crescimento de 23,2%.

MEIO AMBIENTE

Coleta de resíduos domiciliares

O estudo destaca que 100% da população saltense tem sido atendida por serviço de coleta de resíduos domiciliares em 2018, percentual maior que a média dos 645 municípios paulistas analisados, resultado que colocou a cidade na 1ª melhor cobertura entre as analisadas. Salto já ocupava a primeira posição desde o ano de 2011.

Tratamento de resíduos sólidos

Salto alcançou 9,6 pontos no Índice de Qualidade de Resíduos em 2018. O valor é maior que o índice médio estadual. A pontuação revela que o município tinha condições adequadas das instalações de tratamento ou disposição final de resíduos sólidos domiciliares.

Salto obteve a 95ª melhor posição em 2011 e passou a ocupar a 125º posição em 2018 entre os 645 municípios paulistas. Os dados foram fornecidos pela Cetesb.

SANEAMENTO

Abastecimento de água

Salto alcançou 100% da população atendida por serviço de abastecimento de água em 2018. O que significa que a cidade apresentou o melhor atendimento entre todos os municípios do estado. O auge ocorreu em 2017. Os dados são do SNIS/Ministério das Cidades

Atendimento de esgoto

Salto atingiu 99,3% da população atendida por serviço de atendimento de esgoto em 2018. É o 88º melhor atendimento entre as cidades analisadas.

Tratamento de esgoto

Já o índice de esgoto tratado referido a água consumida em 2018 foi de 84,3%. Porém, o desempenho é apenas o 337º entre todos os municípios do Estado. Em 2009, Salto tratava 82,1% do esgoto gerado e tinha o 41º melhor desempenho do estado.

O volume de esgoto tratado na cidade passou de 5849,0 para 6314,6 mil m3/ano entre 2009 e 2018. Já o volume de esgoto não tratado em 2018 foi estimado em 1178,0 mil m3/ano.

SAÚDE

Mortalidade Prematura por Doenças Crônicas não Transmissíveis

Foram registradas 175 mortes prematuras por Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) em Salto em 2018. Essa quantidade resultou em 294,8 óbitos por 100 mil habitantes entre 30 e 69 anos, taxa menor que a média do estado nesse ano. A cidade teve no último ano a 225ª menor taxa de mortalidade por DCNT entre os 645 municípios. A taxa de óbitos por DCNT em 2018 foi menor que a registrada em 2008 (303,6 óbitos por mil habitantes). A variação foi de -2,9% no período. Os dados foram colhidos junto ao DataSUS.

Mortalidade materna

A taxa de mortalidade materna no município de Salto cresceu de 70,6 para 233,6 por 100 mil nascidos vivos entre 2008 e 2018. A taxa nesse último ano foi maior que a média do estado. Dentre os 645 municípios paulistas, essa foi a 614ª melhor taxa. Foram registrados quatro óbitos maternos no município nesse último ano.

Internações por condições sensíveis à atenção básica

O município registrou 16,02 internações por condições sensíveis à atenção básica para cada 100 internações totais em 2019. Essa taxa foi maior que a média do Estado de São Paulo, sendo a 374ª melhor entre os 645 municípios do estado. Entre 2009 e 2019, a taxa cresceu 12,9%. Foi a 561ª melhor evolução no estado. O total de internações variou 15,5% no período 2009-2019. Essa foi a 469ª melhor variação dentre os municípios no período.

Mortalidade Infantil

A taxa de mortalidade infantil em Salto foi igual a 9,9 por mil nascidos vivos em 2018, menor que a taxa do estado. Essa foi a 337ª menor taxa de mortalidade infantil dentre os 645 municípios de São Paulo nesse último ano. Entre 2008 e 2018, a taxa de mortalidade caiu 29,6% no município. Essa variação foi a 230ª melhor entre os 645 municípios de São Paulo. Foram registrados 20 óbitos infantis em 2008. Em 2018, o número foi para 17. A variação no período foi de -15,0%, a 272ª melhor entre os municípios paulistas.

De acordo com o estudo, em 2015 foram registrados 22 óbitos. Em 2016, caiu para 15; no ano de 2017, diminuiu para 13 e em 2018, subiu para 17 mortes.

SEGURANÇA

Acidentes de trânsito com vítima

A taxa de óbitos no trânsito alcançou 13,1 por 100 mil habitantes em Salto em 2019. Nesse ano, o município apresentou uma taxa maior que a média estadual. Essa taxa situou Salto na 285ª melhor posição entre os 645 municípios paulistas em 2019. A taxa de óbitos variou 3,5% entre 2015 e 2019. É uma variação pior que a variação média dos 645 municípios analisados (-18,3%). Foram registrados 15 óbitos no trânsito na cidade em 2019, número maior que os registrados em 2015 (14). As informações foram recolhidas junto ao Infosiga/Governo do Estado de São Paulo.

Posts Relacionado

Cidadão pode fazer sugestões de investimentos ao Governo do Estado

Já está disponível no site www.audienciasdoorcamento.sp.gov.br o acesso ao cidadão para formular sugestões na Audiência Pública Eletrônica para elaboração da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) do próximo ano. A participação segue até domingo (11), apenas pelo meio eletrônico por causa da pandemia do Covid-19. A

Você consegue pensar em festa?

Há um ano fomos colocados dentro de casa com um anúncio de que uma pandemia estava se fixando em nosso país. Não sabíamos ao certo o que era, mas como estávamos vivendo desenfreadamente, até que não foi tão ruim passar uns dias quietinha curtindo a