Dietas Milagrosas e Câncer

Todos os dias, uma quantidade enorme de informações falsas, sem embasamento científico, que prometem ajudar na cura do câncer, chegam por meio das redes sociais, de amigos e até mesmo de alguns profissionais. É preciso ter muito cuidado! Colocar em prática muitas dessas orientações pode comprometer a sua saúde e o seu tratamento, em vez de te ajudar. Esse é o caso das dietas restritivas e as dietas e alimentos milagrosos, que são temas frequentes na Internet.

Alguns deles são: “Dieta sem carboidratos cura o câncer”; “Sua quimioterapia não vai funcionar se você comer carboidratos”; “Carboidratos (pão, farinha de trigo, açúcar, arroz etc) alimentam o tumor”; “Proteínas de origem animal (carne vermelha, leite, ovos, queijos) devem ser excluídas da alimentação, pois alimentam o tumor”; “Cogumelo do sol, noni, graviola, chá de graviola, chá verde, dentre outros muitos alimentos, curam o câncer”; “Dieta da uva”; “Dieta do limão”; “Jejum cura o câncer”; “Torne-Se vegetariano/vegano e cure o câncer”; e “Dieta do alimento vivo”.

O fato real é que a Nutrição Oncológica entra em três momentos:

Prevenção de doenças: é a fase em que estamos saudáveis e temos a possibilidade de “seguir dietas” de maneira adequada e equilibrada com alimentos ricos em proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais, fibras, nutrientes antioxidantes e anti-inflamatórios, etc. Esta é uma fase interessante para iniciar a reeducação alimentar e adquirir bons hábitos alimentares. Sugere-se também a prática de exercícios físicos e controle do peso.

Tratamento do câncer: nesta fase, o maior desafio da nutrição é manter o paciente com boa performance para o tratamento. Pensando nisso realizamos adequação alimentar, manejos nutricionais da forma mais saudável possível com o objetivo de manter e/ou recuperar o estado nutricional e massa muscular do paciente, além do manejo dos sintomas que a quimioterapia/radioterapia/cirurgia trazem.

Nesta fase não é indicada nenhuma dieta restritiva ou da moda nem qualquer tipo de intervenção sem embasamento cientifico e acompanhamento de um nutricionista especializado, pois estes modelos poderão trazer deficiências nutricionais, perda de peso e de massa muscular, desnutrindo o paciente e levando a uma piora na qualidade de vida e performance para o tratamento com possíveis adiamentos, diminuição da eficácia ou suspensão do tratamento.

Pós tratamento: nesta fase a nutrição entra com reeducação alimentar, aliada ao exercício físico, com uma alimentação equilibrada e especifica que auxilie na prevenção de recidivas do câncer e de outras doenças associadas ao tratamento ou pré-existentes.

Para concluir gostaria de lembrar que o nutricionista é o único profissional habilitado para prescrever “dietas”, planos alimentares como forma de prevenção, qualidade de vida, performance em esportes, e tratamento de doenças, sempre levando em consideração a individualidade.

Consulte sempre um nutricionista.

Posts Relacionado

Memórias…

Ao longo de quase cinco anos que estou escrevendo textos aqui no “dedinho de prosa”, já publiquei muitos sobre biografias de pessoas baseadas em memórias, jornais ou outras documentações que serviram de inspiração e fonte histórica para narrar a vida de artistas, políticos, entre outros

Qual a perspectiva econômica para o último trimestre de 2021?

A pandemia da Covid transformou os anos de 2020 e 2021 em verdadeiros desafios para todos os brasileiros, nesse momento a vacinação vem avançando, as infecções e óbitos vem recuando gradativamente e aos poucos estamos conseguindo retornar para o mais próximo possível de uma rotina

Indaiatuba sedia 2ª edição de Encontro Musical

Para expandir as possibilidades de acesso ao conhecimento musical e ampliar o contato com esta arte, a Orquestra Sinfônica de Indaiatuba, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de Indaiatuba, realiza o 2º EMIn (Encontro Musical de Indaiatuba), entre os dias 29 de outubro e 2 de