Com dívida milionária, IBDAH deixa gestão do Hospital Municipal

Chegou ao fim o contrato de gestão do IBDAH (Instituto Brasileiro para o Desenvolvimento da Administração Hospitalar) com o Hospital Municipal Nossa Senhora do Monte Serrat. E se não bastasse a chuva de reclamação sobre os serviços prestados, nesta quinta-feira (8) um novo e gravíssimo problema veio à tona. O IBDAH deixa o hospital com uma dívida superior a R$ 8 milhões entre funcionários, prestadores de serviços e fornecedores.

Os mais afetados são os profissionais da saúde que, além de estarem se sacrificando diante dessa pandemia ainda precisam lidar com atrasos nos pagamentos e também nas verbas rescisórias. Uma das preocupações é que esse impasse acabe impactando o início dos trabalhos da Sociedade Beneficente Caminho de Damasco, vencedora da licitação emergencial, que assume o serviço a partir desta sexta-feira (9) pelo prazo de até seis meses.

Na tarde desta quinta, funcionários da unidade de saúde, temendo ficar sem os pagamentos que lhes são direitos, decidiram protestar do lado de fora do hospital.

Os profissionais relataram o drama enfrentado com o IBDAH. “Eles já deveriam ter pago o salário e nossa rescisãono último dia 5. Agora estamos aqui esperando o pessoal do RH (do IBDAH), pois não sabemos se vão nos pagar ou não”, relatou uma técnica de enfermagem.

Outros funcionários também mostraram preocupação com o futuro. “Estamos nessa situação e não teve um sindicato para vir nos representar”, reclamou uma enfermeira, enquanto um profissional de laboratório relatava a justificativa da empresa. “Eles alegaram que não nos pagaram porque a Prefeitura não os pagou, mas até agora não sabemos de nada”

Vereadores intervém

Durante o protesto, alguns vereadores compareceram ao hospital. Eles ouviram atentamente os funcionários e depois conseguiram se reunir com a direção do hospital. Os vereadores Cícero Landim (presidente da Câmara), Fábio Jorge, Daniel Bertani, Kiel Damasceno e Vinicius Saudino conversaram com o diretor operacional do IBDAH, Marco Antônio Alabi, o qual teria garantido que as pendências seriam solucionadas nesta sexta-feira. “A proposta é que o IBDAH passe as contas para todos os empregados e, ao invés de a Prefeitura fazer o repasse ao instituto, vai pagar diretamente aos funcionários. O prefeito garantiu que serão pagos todos os encargos, já a partir desta sexta-feira. E, se necessário, as rescisões contratuais serão quitadas até o dia 25 de abril”, detalhou Cícero ao Jornal PRIMEIRAFEIRA.

O presidente da Câmara explicou ainda que a Prefeitura terá condições de controlar a situação. “O valor que o IBDAH deve é menor do que o que a Prefeitura deveria repassar a eles. Assim, a Prefeitura reteve esse repasse para garantir a folha de pagamento de março”, argumentou.

Porém, o Poder Executivo revelou que a situação é oposta. De acordo com informações obtidas pelo PRIMEIRAFEIRA o valor que o IBDAH deve para os funcionários, prestadores de serviços e fornecedores é superior a R$ 8 milhões, enquanto o repasse do Executivo é de pouco mais de R$ 6 milhões.

Prefeitura também se manifesta

Na tarde desta quinta-feira, a Prefeitura de Salto emitiu uma nota sobre a situação envolvendo a saída do IBDAH da gestão do hospital. O Executivo cobrou, entre outras coisas, que a empresa apresente um plano de pagamento das dívidas pendentes. Confira a nota na íntegra:

HOSPITAL MUNICIPAL NOSSA SENHORA DO MONTE SERRAT

A PREFEITURA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SALTO ESCLARECE

“Em vista da informação de que os empregados do IBDAH não receberam seus salários, que deveriam ter sido pagos na data de ontem (07 de abril), a Prefeitura da Estância Turística de Salto esclarece que, a par de suas obrigações contratuais, constatou que o INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR – IBDAH possui débitos com funcionários, prestadores de serviços e fornecedores, totalizando um valor maior que os repasses a serem feitos pelo município.

Sendo assim, a Prefeitura notificou o citado Instituto para que apresentasse um Plano de Pagamento, esclarecendo como seriam pagas tais dívidas, e optou por suspender os repasses até que tal explanação fosse efetivada, resguardando o Erário e, principalmente, os direitos trabalhistas dos empregados do IBDAH, uma vez que não haveria nenhuma garantia de que os valores repassados seriam, efetivamente, utilizados para pagamento dos salários e não para outras finalidades.

A ação da Prefeitura, então, garante que os empregados do IBDAH e os profissionais da Saúde contratados como Pessoa Jurídica recebam seus pagamentos, inclusive quanto a verbas rescisórias, uma vez que, caso os pagamentos não sejam realizados pelo Empregador, serão feitos diretamente pela Prefeitura com o valor retido, evitando, assim, que esse valorosos profissionais deixem de receber pelos serviços prestados, como já ocorreu em outras cidades, em ocasião do final de contrato de gestão.

Por fim, a Prefeitura reforça que a obrigação pelo pagamento dos salários. É DO INSTITUTO BRASILEIRO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR – IBDAH, independente do repasse, ainda mais quando este possui dívidas acima do que tem a receber, cabendo ao mesmo os aportes financeiros necessários para o cumprimento de todas as suas obrigações”.

Posts Relacionado

Vereador que instituir Hip Hop como Patrimônio Imaterial do Município

O vereador Michel Oliveira, que substitui o vereador licenciado, Antonio Cordeiro, apresentou um Projeto de Lei que declara como Patrimônio Cultural de natureza imaterial do Município de Salto a cultura Hip-Hop. A proposta tornaria o Poder Público Municipal o responsável pelo desenvolvimento, fortalecimento e visibilidade

Nova fase de flexibilização começa a valer no domingo

A partir deste domingo (1º de agosto) o Estado de São Paulo entra em uma nova fase de flexibilização para o comércio e o funcionamento das atividades econômicas em geral. A fase de transição seguirá até o dia 16 de agosto, com a atual taxa