Abandone o papel de Vítima e assuma a responsabilidade

Você conhece alguém que faz papel de vítima? Certamente você deve conhecer. Observe principalmente se você também tem feito papel de vítima. Afinal, como identificar a pessoa que faz esse papel?

Pessoas que se comportam como vítimas buscam o tempo todo colocar no outro a sua responsabilidade, usam frases como “Eu tive que fazer isso, porque a pessoa me fez agir dessa maneira”. São pessoas que adotam uma mentalidade de vítima diante das circunstâncias da vida “Nada dá certo para mim”, “Isso só acontece comigo”.  O papel de vitimização pode ser definido como o hábito de condicionar sentimentos de piedade, de dó de si próprio, mostrando uma crença de incapacidade e de não se sentir competente. São pessoas que atribuem a culpa ao outro, ao universo por não se sentirem responsáveis e capazes em promover mudanças ou resolver problemas. Contudo, é importante sempre compreender o histórico de vida da pessoa e ter um olhar empático e não simplesmente julgá-la.

E por que essas pessoas ocupam esse lugar de vítima? Porque essa posição pode ser muito confortável, faz com que a pessoa não tenha responsabilidade, não exige que ela saia da zona de conforto, não precisa se esforçar e nem mudar, ela apenas justifica tudo o que acontece de errado ou fracasso como culpa do outro ou do universo. São pessoas que não são responsáveis pelas suas próprias escolhas, acreditam que o outro está sempre numa posição mais favorável que ela e que ela é a “pobrezinha”, contam histórias que sofrem injustiças, preferem reclamar do que tomar ações, são focadas no passado e culpam os eventos como causa dos problemas atuais. O seu foco está no problema e não na solução, não sabem lidar com críticas construtivas, e, por fim, gostam de criticar os outros.

De um modo geral, pessoas que fazem papel de vítima possuem baixa autoestima. Quando crianças receberam pouco afeto dos pais ou responsáveis e só tiveram atenção quando doentes ou machucadas. Quando se tornaram adultas associam a dor e o sofrimento como forma de obter atenção e amor. É importante ressaltar que as pessoas que se vitimizam não tem consciência dessa atitude.

Segue algumas dicas para você sair do papel de vítima: foque nas suas características vencedoras e todas as habilidades que você possui; pare de criar desculpas para contar historinhas do que deu errado, admita a verdade; entenda que problemas fazem parte da vida e os mesmos surgirão, mas mude a maneira como reage à eles; não critique ou julgue os outros; busque soluções; tenha um plano de mudanças e faça da melhor maneira possível diante suas possibilidades atuais. Perceba que você pode mudar sua vida, tomar decisões mais assertivas para alcançar seus objetivos e tenha em mente que não importa o que fizeram com você, mas sim, importa o que você fará com isso daqui em diante.

Lembre-se: no cotidiano, sempre passaremos por dificuldades que a vida nos impõe e devemos enfrentar e encarar o desafio, ir à luta e em busca de melhoria e principalmente sem reclamar. Seja melhor a cada dia, mais produtivo e que você possa obter aprendizado com os momentos difíceis que talvez enfrente, mas jamais desista de continuar e de enfrentar a realidade e não se coloque no papel de vítima. Se considere como um vencedor, como capaz, como autorresponsável por si mesmo e por tudo o que almeja alcançar e por toda mudança necessária a fazer em sua vida.

Posts Relacionado

Juntos somos mais fortes!

Caríssimos leitores. Espero encontra-los bem, com a graça de Deus. Deixo um abraço muito especial ao menino Valdir do Scalet. Meu grande amigo de longas datas. Sempre digo e acredito que, a convivência com a nossa família, amigos e comunidade são muito importantes, para a

Fábricas e seus operários

A cidade de Salto é marcada por uma pluralidade em seu desenvolvimento cultural ao longo dos anos. Uma cidade conhecida pelas suas festas sendo, inclusive, uma referência regional nas manifestações artísticas.  Salto é uma cidade de trabalhadores, operários que vieram de diversas partes do Brasil