A economia Brasileira na era pós-covid

Estamos no mês de abril de 2021. Pouco mais de um ano após o começo da quarentena que vem nos afetando como forma de prevenção e proteção contra o Covid. Fato que tem sido motivo de calorosas discussões entre as pessoas que defendem a quarentena e as que a questionam. Independente da opinião também é fato que apoiando ou sendo contra todos nós estamos sendo afetados diretamente de forma psicológica e economicamente falando. As primeiras vacinas já estão sendo aplicadas e é somente uma questão de tempo para que mais vacinas sejam aprovadas e o processo de vacinação seja acelerado assim imunizando a maior quantidade de pessoas possíveis para que nossas vidas possam ter um pouco da sua normalidade de volta.

Hoje somos um país com empresas em ritmo acelerado de endividamento e com queda de faturamento, a população também está no mesmo processo, perdendo seus empregos, e acumulando dívidas para conseguir colocar comida na mesa. Somos um país com uma taxa de desemprego oficial estimado em 13,9% segundo dados atualizados do IBGE e ainda temos um cenário de mais obstáculos pela frente. Mas somos brasileiros, somos guerreiros, somos acostumados a crises e somos criativos e engenhosos para se virar, transformando o pouco em algo que possa ser minimamente considerado como suficiente e assim tocamos nossas vidas desde que o Brasil é o Brasil.

Por mais sombrio que o cenário possa ser podemos ter esperança. Quando olhamos para esses últimos 12 meses percebemos que muitas empresas fecharam. Os setores mais afetados da economia negativamente falando foi o setor de serviços, em especial os setores de educação, turismo, cultura e entretenimento que são setores que tendem a se recuperar rapidamente quando essa tempestade começar a passar e que geram muitos empregos. As relações de trabalho com a adoção de home office por muitas empresas mudaram bastante assim como a forma de consumir onde o delivery e as compras via e-commerce têm se transformado em uma nova rotina para um grupo cada vez maior de pessoas e que demandam de mão de obra no setor logístico representando assim uma nova oportunidade para muitos que se encontravam desempregados. A perda do emprego para alguns de nós vem representando um renascimento onde muitos vêm se realizando no empreendedorismo e se encontrando efetivamente feliz em meio a pandemia porque a sua perda foi o start para sua mudança de vida de que tanto precisava.

A dívida brasileira nesse período alcançou aproximadamente 90% do PIB por causa dos gastos emergenciais e da queda de arrecadação em vista da redução da atividade econômica, mas o cenário que temos é de demanda reprimida, as pessoas querem consumir e alguns setores que em um primeiro momento sofreram com o medo da pandemia se desenvolveram como o setor da construção civil que vêm se beneficiando do aumento de demanda por materiais de construção e por profissionais porque essa crise vêm gerando uma mudança de cultura que com a adoção do home office fez com que seja cada vez menos necessário a presença do profissional no escritório e a liberdade de poder trabalhar remotamente está fazendo com que as pessoas busquem fugir das grandes cidades e procurem por regiões mais tranquilas para viver e isso ajuda a reduzir o impacto negativo na economia. Com o retorno da normalidade nós queremos é socializar, queremos ir ao cinema, ao barzinho, ao restaurante, queremos viajar e isso tende a alimentar um novo ciclo de consumo e assim gerar novos empregos em setores que tanto vêm sofrendo com a quarentena. Hoje o cenário é de crise e de muitos desafios, porém em breve poderemos observar um período de retomada econômica e muitas oportunidades.

Vida longa e próspera.

Posts Relacionado

Ettore Liberalesso e os Lugares da Memória – Parte IV

Na quarta e última parte do livro “Lugares da Memória”, também este sendo a última parte do texto sobre o material, organizamos com o tema “Histórias de pessoas públicas com as quais convivi e aprendi”. A parte mencionada vem antes do epílogo, um belo poema

Você conhece o Maio Roxo?

O Maio Roxo é o mês dedicado ao diagnóstico precoce e qualidade de vida das doenças inflamatórias intestinais (DII). Apesar de existirem vários tipos os mais comuns da doença são: Doença de Crohn e Reticolite Ulcerativa. No Brasil, o número de casos dessas doenças tem